quinta-feira, 29 de julho de 2010

Trapézio

.




"Contamos segundos
Instantes escassos
Caímos mil vezes
Seguidas de abraços ;
A dança é divina
Ela vive no ar
Ela voa sem asas
Não quer aterrar

É bom arriscar o salto,
Planar,
Sentir de novo emoção...
É tão bom
Saber que a morte
É falhar
Voar de encontro à tua mão

Aqui, no trapézio,
A rede é distante
O meu horizonte
É um braço errante ;
Despimos as horas
Perdidos no espaço,
Entre o rugir de um leão
E o choro de um palhaço

É bom arriscar o salto,
Planar,
Sentir de novo emoção...
É tão bom
Saber que a morte
É falhar
Voar de encontro à tua mão"

Jorge Palma




.

6 comentários:

Daniel Correa disse...

Encantadora e sutil, gosto muito desse tipo de foto.
Parabens:)

Hugo de Macedo disse...

Mas que bela imagem, Margarida. Bem complementada com esta letra do Jorge Palma.

Paulo Lopes disse...

Apaixonante o poeta, o músico, tu.

Jorge Palma o homem que mais imagens de músicas e de gente me evoca desta vez soou-me a Ary dos Santos, até reconhecer no silêncio (especial porque conheço bem estes versos mas misturados com acordes...) de uma estrofe o tom, o ritmo e a cor, da música que a identifica.

Boa.

.

ruimnm disse...

Que grande imagem! Adoro o grafismo e o forte contraste.
Vi o seu blog e esta será uma das melhores (para mim, claro).

zorroplaya disse...

Muy buena Margarida.Muy serena.

Si te apetece visita ésta web.

www.1x.com

Saludos desde mi isla.

José Manuel Vilhena disse...

Aprecio imenso a "limpeza" a que conseguiu chegar esta fotografia.Quase um haiku...
:)